Sábado, 30 Novembro 2019 00:30

Chapa 1 é eleita com 357 votos e Adail comanda SINDSPAM por mais 4 anos

 Eleição: Chapa 1 é eleita com 357 votos e Adail comanda SINDSPAM por mais 4 anos Eleição: Chapa 1 é eleita com 357 votos e Adail comanda SINDSPAM por mais 4 anos

Encerrou-se nesta sexta-feira (30) a eleição para escolha dos novos membros da Diretoria Executiva, Diretoria de Departamentos, Conselho Fiscal e Consultivo e seus respectivos suplentes, para o mandato 2020/2024 do Sindicato dos Servidores Públicos e Autárquicos Municipais de Dourado e São Carlos.

A Chapa 1 encabeçada pelo atual presidente Adail Alves de Toledo, venceu o pleito com 357 votos, já o candidato Paulo Franco da Chapa 2, teve 203 votos.

Ao final da apuração o presidente reeleito, Adail Alves de Toledo, agradeceu a confiança dos associados no trabalho da atual diretoria e destacou a renovação de diretores que o sindicato passa a contar a partir do próximo mandato.

Ao final da apuração, o Presidente Adail comemorou a vitória junto com diretores e apoiadores. Ele salientou que a eleição foi legítima, limpa e não deixou dúvidas quanto aos resultados e prometeu empenho nos próximo mandato. “Nesses quatro anos, os diretores vão trabalhar muito pelos servidores. Temos muito mais a fazer, eu agradeço ao servidor por mais uma vez apoiar e confiar no nosso trabalho”.

Como prioridade para os próximos anos, Adail disse que pretende reduzir o valor da mensalidade do Plano de Saúde, oferecido pelo Grupo São Francisco, a partir de uma parceria com a prefeitura. “Vamos lutar para que a administração municipal subsidie parte do plano, para baratear ainda mais o valor pago pelo servidor”.

Adail destacou que o SINDSPAM já um clube gratuito para o servidor, em parceria com o Sindicato dos Metalúrgicos. Porém, frisou que o maior trabalho do sindicato é na parte jurídica, dialogando com prefeito e secretários para encontrar as melhores condições para o servidor. “Vamos lutar cada vez mais para ver o sindicato melhor, ver o servidor com melhores condições de trabalho, salário digno, sem perseguição ou assédio moral”.